sábado, 22 de julho de 2017

Reencontro

Era mais um dia normal, mãos uma de tantas festas que já tinha ido, com o propósito de me divertir e descarregar a tensão dos últimos tempos. Ao passo em que sou abordado por alguém, que não conheço (acontece muito lá) e essa pessoa, de algum modo, sabe meu nome. Ao confirmar que sou eu tenho uma visão do passado. Ao encontra-lá um misto de sentimentos invade meu ser. Sentimentos que pensava há muito esquecido. Há muito a adormecido. Paixão, amor, temor e receio vieram juntos como um turbilhão. Um longo abraço que veio carregado de todos esses sentimentos. Um beijo (no rosto) que expressava tanto saudade como vontade. Meus autocontroles entraram em colapso, foi uma sensação que apenas ela poderia trazer. Como dizia Tim Maia "Paixão antiga sempre mexe com a gente!" E essa nem era tão antiga. Mas sempre foi muito poderosa.
Lutei contra minha própria vontade de agarra-lá e dar-lhe um longo e caloroso beijo mas sabia que não deveria. Não era o momento, nem o dia, nem o lugar. Quando a reencontrei meu mundo parou, apenas a música prosseguiu, de fundo, ao longe, como se estivesses sendo tocada em um aparelho do outro lado da casa.
Tinha ido pra ver um show e acabei recebendo um presente do destino. Luz e trevas devem existir para que o equilíbrio se mantenha. Pra cada um que perdemos, um novo ganhamos. Pra cada um que deixamos de ganhar, alguém retorna para nos confortar. As linhas do caos mostram seus efeitos a quem está disposto a observa-la, mas mesmo assim, não pensei que a veria outra vez.
Luz e trevas ocupam seu lugar no universo. Sua luz, minhas trevas. Uma União caótica e benéfica ao mesmo tempo. 
Essa história é minha, mas pode ser de qualquer pessoa pois ela acontece com todos em algum momento e a qualquer momento. Era isso. Obrigado por voltar. 
Postar um comentário